ANÁLISE DA RESISTÊNCIA DO CONCRETO PRODUZIDO COM VIDRO MOÍDO

Janete Moreira Moreira Lopes

Resumo


O setor de construção civil gera uma grande quantidade de entulho, que tem se agravado, principalmente devido a fatores como ausência de políticas públicas para solucionar os problemas relacionados ao lixo urbano, falta de informações sistematizadas sobre o assunto, pouca articulação entre os agentes envolvidos na cadeia de resíduos e a falta de destinação para tantos resíduos, que vem trazendo enormes preocupações com o futuro do meio ambiente. Com o crescimento do setor da construção civil e os impactos por ele causados no meio urbano, é necessário que sejam desenvolvidas novas pesquisas que contribuam para o desenvolvimento sustentável e a preservação do meio ambiente.  (NEVILLE,1997) O vidro é um material classificado como cerâmico constituído basicamente de sílica, resistindo bem à ruptura e à deformação elástica. Sua industrialização em larga escala promove grande geração de resíduos, que não são totalmente reciclados. Pensar no destino destes resíduos é fundamental, já que a tendência do mercado é a crescente demanda de materiais vítreos. (NEVILLE,1997). Neste trabalho foi feita uma pesquisa sobre a substituição da areia utilizada na produção de concreto por vidro moído, proveniente da moagem de garrafas “long neck” de vidro. Hoje estas garrafas são consideradas um grande problema para os fabricantes, devido aos resíduos gerados do mundo, pois após o consumo da bebida são simplesmente descartadas, sem uma destinação correta. Neste estudo, além dos ensaios de resistência à compressão simples, foram realizados vários outros ensaios, onde o vidro foi essencial no auxílio da determinação do traço que foi utilizado. Foram moldados corpos-de-prova cilíndricos de 10x20 cm, para as substituições parciais de 0%, 5% e 10% da quantidade de areia por vidro moído, os quais foram submetidos a ensaios aos 7 dias, 21 dias e 28 dias, com traço: 1:1; 3:2; 2:0,49. (Cimento: areia: brita) e uma relação a/c de 0,49.


Texto completo:

PDF

Referências


ARAUJO, Jose Milton. Curso de concreto armado.3.ed.Rio Grande: Editora Dunas, 2010. v.l.

CEMENT SUSTAINABILITY INITIATIVE.Local Impacts and land stewardship. Switzerland, 2002. Disponível em: ?http://www.wbcsdcement.org/index.php?option=com_content&task=view&id=67&Itemid=136 ?. Acesso em 5 de junho de 2012.

CIMENTO.ORG. Tipos de cimento, CPII-Z. São Paulo, 2005. Disponível em: ?http://www.cimento.org/index.php?option=com_content&view=article&id=98&Itemid=151?. Acesso em 19 de junho de 2012.

CRENTSIL, K. S., BROWN, T., TAYLOR, A., Recycled glass as sand replacement in premix concrete, Ed. Eco-Recycled Australia and CSIRO, 2001.

FERRARI, G.; JORGE, J. Materiais e Tecnologias. São Paulo: Universidade Bandeirantes. (Notas de aula). Disponível em: http://ebookbrowse.com/apostila-parte-1rev-materiais-pdfd108975701. Acesso em: 20/01/2010.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2011a) Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Banco da Dados Agregados (PNAD). Disponível em:

MEYER, C., Y. Xi, J. Mater. in Civil Eng. ASCE 11, 2 (1999).

NEVILLE,A.M. Propriedades do Concreto.2ed.São Paulo:Pini,1997. Tradução de Salvador E.Giammusso.

SHAO, Y.; LEFORT, T.; MORAS, S.; RODRIGUEZ, D. Studies on concrete containing ground waste glass. Cement and Concrete Research. Elmsford, v.30, n.1, p. 91–100, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista Científica da UNESC