SISTEMA PRISIONAL BRASILEIRO

Michelle Pavani dos santos Almo, Carlos Henrique da Silva Levy, Zózimo Simão de Souza, Wyllie Ferreira Pasoline, Afonso Henrique Cardoso de Azevedo, Kaiomi Cavalli

Resumo


Este trabalho utilizou-se de pesquisas bibliográficas em livros, revistas e sítios virtuais conceituados para abordar o tema do sistema prisional brasileiro. Tendo enfoque na superlotação, na falibilidade em relação à ressocialização e apresenta a privatização dos presídios como uma possível solução, demonstrando os fatores positivos e negativos de privatizar-se o sistema carcerário. Tem-se em vista, a relevância deste assunto que é tão pertinente ao cotidiano de toda a sociedade. Pois, através de estudos pode-se propor melhorias no que tange a segurança pública, a reinserção do preso na vida social, a otimização dos custos com a manutenção dos presídios, dentre outros benefícios ao preso e à sociedade em geral.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Alberto Carlos. Violência no Brasil causa traumas como em guerra. Valor Econômico. Caderno EU & Fim de Semana, São Paulo, 29, 30 de jun e 1 jul. 2007 – p.6.

BARATTA, Alessandro. Criminologia crítica e crítica do direito penal: introdução à sociologia do direito penal. 3. ed. Rio de Janeiro : Revan, 2002.

BITENCOURT, Cezar Roberto. Falência da pena de prisão: causas e alternativas. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2001.

BRASIL GASTA COM PRESOS QUASE O TRIPLO DO CUSTO POR ALUNO. O Globo. Disponível em: . Acesso em: 1 set. 2013.

BRASIL. Lei nº 7.210, de 11 de julho de 1984. Lei de execução penal. Presidência da república. Casa civil. Brasília. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l7210.htm>. Acesso em: 29 set. 2013.

BRASIL, São Paulo. Constituição. Constituição da República Federativa do Brasil promulgada em 05 de outubro de 1998. OLIVEIRA, Juarez. 5º edição. São Paulo: Saraiva.

CAPEZ, Fernando. Entrevista concedida a revista DATAVENI@, ano VI, Nº 55, março de 2002. Disponível em: < http://www.dataveni@.net>. Acesso em: 05 set. 2013.

CASTRO, Márcio Sampaio. Será que o crime pode compensar? Valor Econômico. Caderno Valor EU & Fim de Semana, São Paulo, 6,7 e 8 de out. 2006 – p. 4- 6.

CEARÁ e Paraná retomam controle. Valor Econômico on line. Fortaleza e Salvador, 31 jan. 2008. Disponível em . Acesso em: 30 set 2013.

D’URSO, Luiz Flávio Borges. Direito criminal na atualidade.São Paulo: Atlas, 1999.

KLOCH, Henrique. O sistema prisional e os direitos da personalidade dos apenados com fins de (res)socialização. Porto Alegre: Verbo Jurídico, 2008.

MINHOTO, Laurindo Dias. As Prisões de Mercado.Lua Nova:Revista de Cultura e Política, São Paulo, v 55-56, p. 133-153, 2002.

MINISTRO DA JUSTIÇA DIZ QUE PREFERIA MORRER A CUMPRIR PENA EM PRESÍDIO BRASILEIRO. Revista Época. Disponível em: . Acesso em: 01 set. 2013

MORSCH, Carlos Eduardo. O sistema prisional e as parcerias público-privadas. Trabalho de Conclusão de Curso. Graduação em Direito - Universidade Federal de Santa Maria - RS. 2009.

SANTOS, Jorge Amaral. As parcerias público-privadas no sistema penitenciário brasileiro. Trabalho de conclusão de curso: Pós graduação em Direito – Universidade Caxias do Sul – RS. 2008(a). Disponível em: < http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=13521>. Acesso em: 09 set. 2013

SANTOS, Richard Harrison Chagas dos. Relatório anual. Penitenciária Industrial de Joinville (Jocemar Cesconeto). 30 páginas. Joinville, 2009.

SCHELP, Diogo. Nem parece presídio. Revista Veja 25 fev. 2009.

THOMPSON, Augusto. A questão penitenciária. 5º edição. Rio de Janeiro: Editora Forense, 2002.

WACQUANT, Loïc. As Prisões da Miséria. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Ed., 2001.

WAISELFISZ, Júlio Jacobo. Mapa da Violência - Os Jovens do Brasil. Instituto Sangari/Ministério da Justiça Brasil, fev. 2011.

ZANIN, Joslene Eidam; OLIVEIRA, Rita de Cássia da Silva. Penitenciárias privatizadas: educação e ressocialização. Revista Práxis Educativa, Ponta Grossa, PR. Vol. 1, n. 2, jul./dez. 2006. p. 39-48. Disponível em: . Acesso em: 31 ago. 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Revista Científica da UNESC