USO DE CINZA DO BAGAÇO DA CANA-DE-AÇÚCAR COMO MATERIAL POZOLÂNICO NA SUBSTITUIÇÃO PARCIAL DE CIMENTO PORTLAND EM ARGAMASSAS

Damysson Henrique Bezerra Da Silva Dias, Joeder Teixeira Contin, Leonardo Rigoni

Resumo


A busca pela geração de energia através de fontes renováveis vem intensificando os investimentos, principalmente no Brasil, na área de produção de etanol derivado da cana-de-açúcar. O país é atualmente o maior produtor de etanol e de açúcar do mundo (PAULA et al., 2009). A cana-de-açúcar passa pelo processo de moagem para extração do caldo, o caldo é utilizado na produção de álcool e/ou açúcar, o processo de moagem gera resíduos como, bagaço, torta de filtro, leveduras e vinhaças. Dentre os resíduos, destaca-se o bagaço, que é utilizado na geração de energia, através da queima para geração de vapor/eletricidade (CORDEIRO, 2006).

No Brasil a moagem de cana-de-açúcar, safra 2015/2016, segundo UNICA (2016) foram de 666.824 milhões de toneladas. A moedura de uma tonelada de cana-de-açúcar para a produção de açúcar e/ou álcool gera 250 quilos de bagaço (umidade 50%). Sendo que, segundo FIESP/CIESP (2001) para cada 250 quilos de bagaço utilizados na geração de energia são produzidos 6 quilos de cinzas e cerca de 95% dos resíduos de bagaços gerados são queimados em caldeiras para geração de vapor.

As cinzas derivadas da queima do bagaço da cana de açúcar, na maioria das vezes não possuem uma destinação ecologicamente correta. Diante da ampla produção de açúcar e álcool é de suma importância estudos que visem o aproveitamento da cinza do bagaço de cana-de-açúcar (CBC), para promover destinação adequada ao resíduo a fim de que o meio ambiente não receba esse resíduo e configure-se em um problema ambiental.

A cinza do bagaço de cana-de-açúcar apresenta atividade pozolânica, característica que possibilita o uso na substituição parcial do cimento Portland em argamassas, tendo como benefícios, redução do uso de cimento Portland e destinação adequada para redução de impactos ambientais (CORDEIRO et al., 2006).

Ao analisar o crescimento da produção brasileira de açúcar e álcool, pode-se relaciona-la ao aumento na geração de resíduos de cana, o que consequentemente provocará mais impactos ambientais, oriundos da má destinação desses resíduos. Surgindo assim a necessidade de estudos para aproveitamento desses resíduos de modo evitar prejuízos ao meio ambiente e possibilitar meios alternativos a disposição do bagaço de cana.

O uso das cinzas do bagaço de cana-de-açúcar em argamassas de assentamentos pode apresentar soluções que sejam também economicamente viáveis, ao proporcionar economia na produção de argamassas, considerando que o cimento Portland será substituído por uma fração de cinzas. Nesse contexto, este trabalho tem por objetivo fazer uma revisão bibliográfica de diversos estudos sobre o uso da cinza do bagaço de cana como material pozolânico na substituição parcial do cimento Portland em argamassas

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.