A CORRELAÇÃO DAS UROCULTURAS E EAS DE URINA PARA O DIAGNÓSTICO DE INFECÇÃO URINÁRIA

Matheus Henrique Bragança, Lucas Reis da Silva, Cássio Antônio Lanfredi dos Santos

Resumo


O marcador definitivo de infecção do trato urinário (ITU) são bactérias presentes na urina, onde a correlação com o exame de elementos e sedimentos anormais (EAS) de urina é útil para liberar o diagnóstico e para a administração da medicação adequada. O presente trabalho tem como objetivo analisar as uroculturas e correlacionar com o exame de urina (EAS) para o diagnóstico de infecção urinária, tendo como variáveis, o número de leucócitos, quantidade de bactérias e nitrito em amostras de urina de um Laboratório privado de Análises Clínicas não hospitalar, no município de Cacoal, Estado de Rondônia. Trata-se de um estudo qualitativo e quantitativo baseado na análise descritiva no período de Agosto de 2014 à Julho de 2017, de dados de amostras clínicas de urina de jato médio submetidas aos exames de urina tipo 1 e Urocultura para o diagnóstico de infecção do trato urinário (ITU). O estudo tem como critério de comparação as seguintes variáveis: Cultura positiva com leucócitos maior e menor que 10.000 células/ mL, cultura negativa com leucócitos maior e menor que 10.000 células/ mL, cultura positiva com nitrito positivo e negativo, cultura negativa com nitrito positivo e negativo e cultura positiva e negativa quanto à quantidade de bactérias. Foram analisadas 528 uroculturas com EAS, sendo 396 (75,00%) não houve desenvolvimento de microrganismos e 132 (25,00%) apresentaram positividade para infecção do trato urinário. Na presente pesquisa, das 132 culturas positivas, o perfil leucocitário foi de 92 (70%) urinas com leucócitos superior à 10.000/mL, 30 (23%) urinas com leucócitos inferior à 10.000/mL e 10 (7%) amostras de urinas com leucócitos igual à 10.000/mL. Um aumento de leucócitos pode estar associado a um processo inflamatório, ou seja, os leucócitos são atraídos para qualquer área de inflamação. Neste trabalho a concentração de nitrito observada nas 132 amostras de cultura positiva foi de 51 (38,64%) e ausência de 81 (61,36%). É válido ressaltar que nem sempre em amostras de cultura positiva haverá presença de nitritos, já que mesmo sendo indicativo para infecções de ITU. Em relação a bacteriúria, das culturas positivas, cerca de 101 (76.5%) apresentou quantidade elevada de bactérias, que corresponde a inúmeras bactérias (+++), e que apenas 29 (22%) relatou raras bactérias (+) das culturas positivas, deste modo, percebe-se que a maior quantidade de bactérias na urina relaciona com processo infeccioso urinário. A contagem de leucócitos apresenta uma correlação com a ITU mais precisa que a presença de nitritos, porém, a análise em conjunto desses parâmetros demonstra-se mais sensível que sua adoção isolada, bem como a presença de bactérias na urina, especialmente se acompanhada de diversos leucócitos.


Palavras-chave


Uroculturas; EAS; Infecção urinária

Texto completo:

PDF

Referências


MUNDT L. A.; SHANAHAN K. Exame de Urina e de Fluidos Corporais de Graff. 2. Ed. Porto Alegre: Artmed, 2012. P. 61-62.

HORNER R.; ET AL. Comparação de métodos de triagem para detecção de bacteriúria em amostras do bairro Maringá e do hospital universitário de santa maria: Saúde, Santa Maria, vol 34a, n 1-2: p 16-21, 2008.

HEILBERG I. P.; SCHOR N. Abordagem diagnóstica e terapêutica na infecção do trato urinário – itu: Rev Assoc Med Bras 2003; 49(1): 109-16

SILVA, C. H. P. M. et al. Desenvolvimento e Utilização de Conservante Químico em Amostras de Urina para Análises Microbiológicas (Urocultura) e Rotina (E.A.S.): Revista Brasileira de Análises Clínicas, v. 37, n.3, p.137-147, 2005.

DE ROSSI P.; ET AL. Infecção urinária não complicada na mulher: diagnóstico. Revista da Associação Médica Brasileira. 2011; 57(3): 258-261.

Guerra G. V.; et al. Exame simples de urina no diagnóstico de infecção urinária em gestantes de alto risco: Rev Bras Ginecol Obstet. 2012;34(11): 488-93.

NAJAR, M. S.; SALDANHA, C. L.; BANDAY, K. A. Approach to urinary tract infections: Indian Journal of Nephrology, v.19, p. 129-139, 2009.

BARBOSA I.; et al. Recomendações da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/ Medicina Laboratorial (SBPC/ML): Boas Práticas em Microbiologia Clínica. Barueri, São Paulo: Manole, 2015.

Wilson M. L.; Gaido L. Laboratory diagnosis of urinary tract infections in adult patients: Clin Infect Dis. 2004;38(8):1150-8.

Akin O. K.; et al. Evaluation of specimens in wich the urine sediment analysis was conducted by full-automatic systems and a manual method together with urine culture results: Af J Microbiol Res. 2011;5(15):2145-9.

Marques A. G.; et al. Desempenho da fita de urina como resultado presuntivo para cultura de urina negativa: Einstein (São Paulo). vol.15 no.1 São Paulo. 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.